WORLD ANTHROPOLOGICAL UNION

CONGRESS 2024​

SELECTED PANEL

( pn25 )

Intangible Heritage: Challenges, Successes, Safeguarding, and Other Forms of (Re)Existence

Organizers

    Clécia Maria Aquino de Queiroz

    Brazil

    Universidade Federal de Sergipe

    Face to Face/ On Site - Presence

    Lúcia Maria Aquino de Queiroz

    Brazil

    Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

    Online - Presence

    Alexandre da Trindade e Oliveira

    Brasil

    Cambridge University

    Face to Face/ On Site - Presence

    Adrião Filho Barbosa Fonsêca Filho

    Brasil

    Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa

    Face to Face/ On Site - Presence

IUAES Affiliation: Anthropology and Education

IUAES Affiliation: Anthropology of Tourism

IUAES Affiliation: Indigenous Knowledge and Sustainable Development

IUAES Affiliation: Study of Difference, Discrimination and Marginalization

Keywords:

Intangible Heritage, Resistance, Neoliberalism, Cultural Groups, Practical-symbolic networks

Abstract:

This thematic panel aims to bring together academic reflections that analyze the daily (re)existence of holders of various practices and knowledge deemed as intangible heritage – or striving to be – within local, national, and transnational legal frameworks. We will delve into the practical-symbolic strategies that shape the everyday lives of groups or communities regarded as traditional in contexts affected by neoliberal ideologies and influenced by a pervasive globalization characterized by competitiveness, political dominance of corporate capital, processes of monetization, and information monopolies. In this adverse scenario, different cultural groups have been utilizing their rituals, artistic practices, and memories as a means of strengthening identity bonds, preserving and safeguarding their cultural heritage, and improving the quality of life of their members. This thematic session aims to reflect on the paths followed by such groups to preserve or recreate their practical-symbolic references and disseminate their knowledge. Many of them resort to the state, seeking institutionalized protection, thereby engaging or activating legal mechanisms such as registration or safeguarding plans. However, other forms of (re)existence will also be considered, such as education, territorial reclaiming, activism, the work of social movements, engagement with tourism, and the adoption of other market-driven approaches. This thematic panel thus hosts reflections on possible alternatives adopted by socially vulnerable groups, primarily situated in developing countries marked by racial, social prejudices, colonialism, and gender inequalities prevalent in their localities. We welcome submissions that aim to discuss the experiences of communities or cultural groups, analyzing their trajectories, actions, difficulties, and survival mechanisms. Proposals that analyze actions aimed at strengthening various cultural groups and the establishment of new cultural management mechanisms, particularly those composed of so-called minorities: women, indigenous peoples, Black communities, and LGBTQIA+ communities, are also encouraged.

Português

Desafios, sucessos, salvaguarda e outras formas de (re)existência

Este painel temático se propõe a agregar reflexões acadêmicas que analisem a (re)existência cotidiana dos detentores de diversos fazeres e saberes que são considerados patrimônio imaterial – ou que lutam para sê-lo – em enquadramentos jurídicos locais, nacionais e transnacionais. Abordaremos, os expedientes prático-simbólicos que compõem o dia a dia de grupos, ou comunidades tidas como tradicionais em contextos impactados por ideologias neoliberais e influenciados por uma globalização perversa, caracterizada pela competitividade, pelo comando político do capital empresarial, por processos de monetarização e monopólios de informação. Neste cenário adverso distintos grupos culturais vêm utilizando seus ritos, seu fazer artístico, suas performances e suas memórias como forma de fortalecimento de laços identitários, de preservação e salvaguarda do seu patrimônio cultural e de melhoria da qualidade de vida dos seus integrantes. Esta mesa temática se propõe a refletir sobre os caminhos seguidos por tais grupos para preservar ou recriar seus referenciais prático-simbólicos, a difusão dos seus conhecimentos. Muitos deles recorrem ao estado, buscando conquistar uma proteção institucionalizada, agenciando ou ativando, portanto, mecanismos jurídicos como o registro ou planos de salvaguarda. Contudo, outras formas de (re)existência serão também contempladas, como a via da educação, a retomada territorial, o ativismo, o trabalho dos movimentos sociais, a aproximação ao turismo e a adoção de outros caminhos mercadológicos. Esta mesa temática abriga, portanto, reflexões sobre alternativas possíveis que vêm sendo adotadas por grupos socialmente vulneráveis, situados, sobretudo, em países em desenvolvimento marcados por preconceitos raciais, sociais, colonialismo e desigualdades de gênero imperantes nas localidades em que vivem. Aceitaremos trabalhos que se proponham a discutir a experiência de comunidades ou grupos culturais, analisando suas trajetórias, ações, dificuldades e mecanismos utilizados para sobrevivência. São também acolhidas propostas que analisem ações em prol do fortalecimento de diversos grupos culturais e a constituição de novos mecanismos de gestão da cultura, em particular, daqueles compostos pelas denominadas minorias: mulheres, índios, negros e comunidades LGBTQIA+.

Patrimônio Imaterial, Resistência, Neoliberalismo, Grupos Culturas, Redes prático-simbólicas